A mostrar resultados 1 a 6 de 6

Tópico: Ordem dos Engenheiro Técnicos - Comunicado Congresso Engenheiros Língua Portuguesa

  1. #1
    VIP Avatar de FrankG
    Data de Registo
    Jan 2010
    Mensagens
    517

    Padrão Ordem dos Engenheiro Técnicos - Comunicado Congresso Engenheiros Língua Portuguesa

    Comunicado da Ordem dos Engenheiro Técnicos sobre o Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa


    OET – ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS
    COMUNICADO
    A OET e o Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa


    No panorama legislativo português, desde há muito e em particular desde 1999 que a engenharia é representada por duas associações de direito público: a OET - Ordem dos Engenheiros Técnicos, com o Estatuto aprovado pelo Decreto-Lei n.º 349/99, de 2 de setembro, e alterado pela Lei n.º 47/2011, de 27 de junho, e pela Ordem dos Engenheiros (OE), cujos atuais estatutos foram aprovados pelo Decreto-Lei n.º 119/92, de 30 de junho.
    Por muito difícil que seja, para alguns aceitar esta situação, ela é uma realidade insofismável que resultou da legítima vontade do poder legislativo democraticamente eleito, devendo ser respeitada sem quaisquer reservas por todos e, muito especialmente, por parte dos atores da área da engenharia.
    Da leitura dos estatutos de ambas as ordens profissionais resulta que a OET representa, em exclusividade, os profissionais de engenharia que têm por habilitação académica de acesso à profissão o 1.º ciclo de engenharia (grau de licenciado), tal como estabelece o Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de junho, bem como formações equiparadas, onde se incluem, naturalmente, os Bacharéis em Engenharia. A OET atribui o título profissional de Engenheiro Técnico.
    Por seu lado, a OE representa os detentores do 2º ciclo de Engenharia, onde se incluem os antigos Licenciados (na legislação anterior ao referido Decreto-Lei n.º 74/2006, de 24 de março) e os Mestres (a partir da publicação do mesmo diploma legal) e os detentores do 3º ciclo de engenharia (grau de Doutor) de acordo com a mesma legislação. A OE atribui o título profissional de Engenheiro.
    Ambas as profissões constituem, por direito próprio, a engenharia portuguesa e só elas estão habilitadas a praticar atos de engenharia conforme estabelecem, nomeadamente, a Lei nº 31/2009, de 3 de julho e a Portaria n.º 1379/2009, de 30 de outubro.
    Para a OET, a cooperação de toda a engenharia portuguesa, de 1º, 2º ou 3.º ciclos, com a engenharia do mundo, em geral e, muito particularmente, com a dos países de língua oficial portuguesa, tem sido um pilar fundamental na sua política de intervenção internacional. Sem neocolonialismos bacocos e ultrapassados, sem censurar os processos académicos e formativos desses países, mas sim, participando, sempre que tal lhe é solicitado, nas ações organizadas por entidades locais de melhoria do processo educativo em engenharia, a OET tem produzido propostas que visam o reconhecimento recíproco, em pé de igualdade, de todos os profissionais de engenharia reconhecidos nesses países, estando em negociações com organizações de engenharia no Brasil, em Angola, em Cabo Verde, entre outras. A criação de um espaço lusófono de engenharia, onde a livre circulação seja uma realidade, é uma grande ambição da OET.
    Tendo vindo ao conhecimento da OET que será realizado em Lisboa a 18 de outubro o 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa, numa organização da OE, a OET não pode deixar de saudar este Congresso e esperar que as teses aí discutidas sejam um contributo importante para o desenvolvimento de uma efetiva cooperação da engenharia portuguesa com a engenharia dos países lusófonos e que produza contributos significativos para a promoção da livre circulação destes profissionais no espaço lusófono. Contudo, a OET não pode deixar de censurar a forma, esperada aliás, elitista, redutora e corporativa como a sua congénere associação portuguesa de direito público da área de engenharia organizou este Congresso, deixando de fora mais de um terço da engenharia portuguesa e, inclusivamente, outros representantes de profissionais de engenharia do mundo lusófono. A transformação do 1º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa no 1º Congresso da Engenharia de Língua Portuguesa daria, seguramente, um contributo mais forte no cimentar das relações entre os profissionais de engenharia dos países de Língua Oficial Portuguesa.
    O desenvolvimento da cooperação entre as engenharias do mundo lusófono, independentemente dos ciclos ou graus académicos que lhes estão subjacentes nos diversos países, exige protagonistas que, esquecendo as querelas internas, sejam capazes de encontrar, com grande elevação e sentido patriótico, os caminhos de uma efetiva reciprocidade de reconhecimento entre todos os profissionais, independentemente da sua origem. Esta é a forma de agir da OET, na convicção de que só assim será possível alcançar de futuro este tão importante objectivo.

    Porto, 29 de Setembro 2012
    O Bastonário da Ordem dos Engenheiros Técnicos
    Qual é a vossa opinião sobre isto?
    Não têm também os Engenheiros Técnicos direito ao tratamento digno e reconhecimento da sua Ordem?

  2. #2
    alvaro81
    Visitante

    Padrão

    A Ordem dos Engenheiros Técnicos é neste momento obsoleta uma vez que os novos licenciados (antigos bacharéis) se podem inscrever na Ordem dos Engenheiros. E a Ordem dos Engenheiros tem mais a oferecer pelo que ninguém vai optar pela OET.

  3. #3
    chiquitita
    Visitante

    Padrão

    Citar Publicado Originalmente por alvaro81 Ver Mensagem
    A Ordem dos Engenheiros Técnicos é neste momento obsoleta uma vez que os novos licenciados (antigos bacharéis) se podem inscrever na Ordem dos Engenheiros. E a Ordem dos Engenheiros tem mais a oferecer pelo que ninguém vai optar pela OET.
    Álvaro, o que é que a Ordem dos Engenheiros tem a oferecer a mais do que a Ordem dos Engenheiro Técnicos? Só se forem quotas avultadas e sem qualquer justificação, dado o pobre trabalho que a Ordem dos Engenheiros faz na defesa da classe.

  4. #4
    Membro Intermédio Avatar de Ana Conceicao
    Data de Registo
    Oct 2012
    Mensagens
    25

    Padrão

    Nunca percebi qual é o problema de muita gente com a criação e existência da Ordem dos Engenheiros Técnicos. Sou membro da Ordem dos Engenheiros há muitos anos e também sempre achei que faziam um trabalho péssimo, tanto na defesa da classe, como a chiquitita referiu, como na assistência aos membros (basta telefonar ou ir a uma da sedes da ordem para perceber a cambada de inúteis que lá trabalham). Mas o que me perturbou seriamente foi a guerra desencadeada pela OE contra a OET. Com que autoridade é que a OE pode negar e contrariar a existência de outra ordem profissional, mesmo que dentro da mesma classe.
    E fico espantada quando leio barbaridades como esta: A Mal Amanhada Ordem dos Engenheiros Técnicos | Engenharia Portugal . Parece-me que a Ordem dos Engenheiros teve uma atitude quase Xenófoba em relação à Ordem dos Engenheiros Técnicos.

  5. #5
    Membro Intermédio Avatar de Sandro Raffes
    Data de Registo
    Oct 2012
    Mensagens
    18

    Padrão

    Sou brasileiro, então pergunto para entender: há duas organizações de classe em Portugal? Esse tipo de separação não pode trazer nada de bom, sempre terá alguma querela entre os profissionais. A união de uma categoria é o que a faz forte. Aqui no Brasl passamos por isso, não por uma divisão de conselhos, mas por termos uma categoria mal organizada e desunida.
    Torço para que em Portugal não aconteça dessa forma.

  6. #6
    Manuel MARINHO
    Visitante

    Sorriso Engenheiro Mecânico (IST,OE).

    Citar Publicado Originalmente por Ana Conceicao Ver Mensagem
    Nunca percebi qual é o problema de muita gente com a criação e existência da Ordem dos Engenheiros Técnicos. Sou membro da Ordem dos Engenheiros há muitos anos e também sempre achei que faziam um trabalho péssimo, tanto na defesa da classe, como a chiquitita referiu, como na assistência aos membros (basta telefonar ou ir a uma da sedes da ordem para perceber a cambada de inúteis que lá trabalham). Mas o que me perturbou seriamente foi a guerra desencadeada pela OE contra a OET. Com que autoridade é que a OE pode negar e contrariar a existência de outra ordem profissional, mesmo que dentro da mesma classe.
    E fico espantada quando leio barbaridades como esta: A Mal Amanhada Ordem dos Engenheiros Técnicos | Engenharia Portugal . Parece-me que a Ordem dos Engenheiros teve uma atitude quase Xenófoba em relação à Ordem dos Engenheiros Técnicos.
    Qual a necessidade dos ET´s? A OE deveria absorver todoa e acabar com eles de vez por via administrativa.
    Que se aprende em 3 anos? nem matemática...
    Quando vem um Salazar que ponha este pobre pais (pobre de pedir) em sentido?
    Ora bolas para isto tudo.

Tópicos Relacionados

  1. Respostas: 0
    Última Mensagem: 29-11-2012, 14:59
  2. Respostas: 0
    Última Mensagem: 29-11-2012, 14:54
  3. Respostas: 4
    Última Mensagem: 08-10-2012, 15:25
  4. 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa
    Por Fernando Coutinho no fórum Discussão Geral
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 30-08-2012, 12:08
  5. ANET passa a Ordem dos Engenheiros Técnicos (OET)
    Por jerp no fórum Discussão Geral
    Respostas: 0
    Última Mensagem: 29-06-2011, 17:10

Permissões de Publicação

  • Não pode criar novos tópicos
  • Não pode publicar respostas
  • Não pode publicar anexos
  • Não pode editar as suas mensagens
  •