A mostrar resultados 1 a 5 de 5

Tópico: Diferença construtiva para Vigas Engastadas e Apoiadas

  1. #1
    Membro Estagiário
    Data de Registo
    Nov 2016
    Mensagens
    1

    Padrão Diferença construtiva para Vigas Engastadas e Apoiadas

    Olá amigos.

    Alguém sabe a diferença na execução de uma viga engastada para uma apoiada.

    O que é feito para garantir que uma viga seja livre na hora da execução? - Principalmente no caso de vigas apoiadas em vigas.

    Abraço.

  2. #2
    Membro Intermédio Avatar de Junior RC
    Data de Registo
    Dec 2016
    Empresa
    Vale
    Mensagens
    24

    Padrão

    Uma pergunta que meus "professores" nunca souberam responder, também tenho essa mesma dúvida!
    "if i have seen further it is by standing on the shoulders of giants" - NEWTON, Isaac

  3. #3
    luis rs
    Visitante

    Padrão existência de armadura

    Mesmo que pequena a armadura de montagem acrescenta um momento fletor insignificante no pilar ou de torção na viga. Simplificando: Quando ao editar armadura após cálculo e optamos por incluir uns negativos "além da conta", é importante lembrar que estaremos incluindo um momento fletor no pilar ou um torsor em uma viga e é importante avaliar se estes suportam. Um pilar com carga normal muito grande um "momentinho não faz nem cosca". Um exemplo são as vigas de patamar de escada, estas geralmente estão entre dois pilares "robustos" e com outros travamentos no pavimento de uma edificação, neste caso podemos fazer M+ e M- deslocando gráfico de M para cima até metade....iguais a metade do ql²/8....fica ql²/16 para positivo e negativo. Importante para quem está inciando é fazer uns exemplos para assimilar as grandezas...

  4. #4
    Membro Estagiário Avatar de RicardoVictorPereira
    Data de Registo
    Feb 2017
    Mensagens
    2

    Padrão

    As estruturas de CA são monolíticas, logo sempre haverá um engastamento parcial. Esse grau de engastamento depende, principalmente, das inércias relativas pilar-viga. EX: Uma viga de baixa inércia apoiada em um pilar "largo" (alta inércia) vai estar muito mais engastado que em caso contrário.

  5. #5
    Membro Intermédio
    Data de Registo
    Jul 2013
    Mensagens
    18

    Padrão


             
    Na minha opinião, estamos a confundir a realidade com o modelo de cálculo. Na realidade, as lajes não são perfeitamente encastradas nem o seu comportamento é o de uma laje simplesmente apoiada (a menos que tenham um sistema que efetivamente lhe permita uma rotação... mas nunca vi ninguém a construir isso.
    Se quisermos ser mesmo perfecionistas, seria simular a rigidez das ligações, como se houvesse molas... mas isso só costuma ser feito em sísmica.

    Na prática, acabamos por usar um modelo de cálculo para encontrar os esforços mais significativos para os quais vamos dimensionar a estrutura. Se o projetista não está certo do comportamento (e muitos deveriam ter mais respeito pela sua ignorância, porque muitas vezes acham que sabem tudo e depois dá barraca), então não vejo qualquer problema em usar vários modelos de cálculo e usar os esforços mais significativos, mas confesso que nunca vi ninguém a fazer isso.
    Mas na verdade, a maioria dos gabinetes hoje em dia, no entanto, usa softwares de cálculo que usam ferramentas que, de certa forma, já tratam estas questões pelo projetista.

Etiquetas deste Tópico

Permissões de Publicação

  • Não pode criar novos tópicos
  • Não pode publicar respostas
  • Não pode publicar anexos
  • Não pode editar as suas mensagens
  •